O estudo teve como objetivo construir e validar uma medida que aferisse cinco habilidades da inteligência emocional. Dentre os 126 itens elaborados para representar as cinco habilidades, 97 deles que apresentaram consistência após análise teórica foram aplicados a uma amostra de 972 sujeitos dos sexos masculino e feminino, com idade média de 22,41
anos. Os dados foram submetidos à analise dos componentes principais e extraídos sete fatores com eigenvalues superiores a 2,0. A rotação dos fatores, através do método ortogonal (varimax), revelou que apenas os cinco primeiros apresentaram agrupamentos de itens teoricamente consistentes com as definições das cinco habilidades da inteligência emocional. O fator 1 cobre o conceito de empatia (14 itens, α = 0,87), o fator 2 o de sociabilidade (13 itens, α = 0,82), o fator 3 representa automotivação (12 itens, α = 0,82), o fator 4 o conceito de autocontrole (10 itens, α = 0,84) e o fator 5 a autoconsciência (10 itens, α = 0,78). A versão da medida da inteligência emocional, resultante deste estudo, abre perspectivas para futuras pesquisas nacionais sobre o assunto, visto que a MIE possui validade fatorial e fatores com índices de precisão que a indicam para
aplicações no âmbito científico.
Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa



Tags: , ,


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.